Senta lá, Povão!

Senta lá, povão!

Um ano se passou desde o diálogo de Jucá e Machado: “a solução mais fácil é botar o Michel, mas só o Renan está contra isso porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha. Esquece o Eduardo, o Eduardo Cunha está morto”.

Renan estava certo e Cunha não está morto. Pelo contrário, ao que parece ele ainda recebe uns bons milhões do nobre dono de frigorífico, o qual após jogar tudo no ventilador e dar nome aos bois (a internet é ótima nos trocadilhos), passeia pelos Estados Unidos, sem ao menos usar o acessório cobiçado como uma joia pelos réus da Lava-Jato, a tornozeleira eletrônica.

Éh, malandro é malandro, mané é mané! Sinto muito, mas devo concordar com Renan, cuja malícia já pressentia que o esposo recatado e do lar não seria o Salvador da Pátria e nem sequer “estancaria essa sangria”, já que ele mesmo se tornaria um personagem importante dela, ao receber tarde da noite o nobre empresário e concordar com os crimes que ele lhe falava. Ah, mas devemos dar um desconto, pois o presidente, com sua idade avançada e audição comprometida, concordou com o que Joesley dizia sem ouvir direito, como afirmou seu advogado.

Quantos de nós, brasileiras e brasileiros, não gostaríamos de estar – por alguns momentos – com a audição comprometida para não ouvir os absurdos que temos tido que suportar? Certamente, o número é grande. No entanto, não estamos isentos de culpa, pois se tem uma coisa que não podemos negar é que a Lava Jato deixa claro que nossa sociedade é extremamente corrupta. Digo sociedade, pois precisamos entender que não existe sistema político corrupto em uma sociedade virtuosa. Desde o início da operação, o protagonismo das grandes corporações esfrega na nossa cara o que deveria estar nítido, ou seja, que a corrupção não é um fenômeno meramente de governos e políticos, mas tem a ver com preceitos morais difundidos e praticados por toda a sociedade.

No mesmo sentido, outra reflexão que nos apresenta é que num país no qual a participação do Estado na economia é muito ampla (sem discutirmos o mérito disso), via incentivos fiscais, creditícios, dentre outros, as grandes empresas participando das campanhas eleitorais traz um problema inevitável, o popular rabo preso. Ao menos essa questão, a aprovação da proibição do financiamento empresarial de campanha promete diminuir, medida extremamente importante como início de uma Reforma Política, que se faz mais necessária do que nunca, num cenário no qual mais de 60% da população não se identifica com nenhum partido político, segundo a mais recente pesquisa DataFolha.

Diante disso, eu é que perguntaria aos famosos botões de Mino: Seria esse Congresso, com grande parte de seus membros investigados na Lava Jato, a promover a necessária Reforma Política? E mais: É cogitável, justo, e até decente, que eles resolvam quem governará o País, caso Temer deixe o cargo, sem ser cassado (já que no caso de cassação da chapa, a lei já prevê a realização de eleição direta).

Certamente, a eleição indireta, embora constitucionalmente prevista, seria utilizada como mais uma manobra para continuar com um projeto não eleito nas urnas e deixar o povo, mais uma vez, de fora da escolha dos rumos que o País deve tomar, o que só ampliaria a crise que é característica de um governo sem legitimidade popular.

Em suma, contrariando Temer, não devemos “continuar com isso, viu?”, pois um governo que precisa utilizar da obstrução aos trabalhos da Câmara (como fez na última terça-feira, 23, ao forçar o adiamento da votação do relatório da PEC das eleições diretas) para impedir sua queda, certamente já caiu. O que nos resta agora é saber quem irá escolher o sucessor, ou seja, se será o povo ou um Congresso cujo interesse de grande parte é apenas se salvar da sangria da Lava Jato e, para isso, tentaria novamente fazer “um grande acordo nacional, com o Supremo, com tudo”.

Douglas Xavier

***As ideias/opiniões expressas no texto são parte do ponto de vista do autor e não necessariamente de todos os membros do Bloco Jota.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s